Get Adobe Flash player

Pesquisar este blog

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Artigo do presidente - Constituição: um projeto de nação.


Brasília - Confira o artigo de autoria do presidente nacional da OAB, Marcus VInicius Furtado Coêlho, publicado nesta segunda-feira (05), pelo jornalista Ricardo Noblat, em O Globo, alusivo aos 27 anos da Constituição de 1988 - a Carta Cidadã.
Veja o artigo abaixo ou diretamente no site do jornal.
Constituição: um projeto de nação
Por Marcus Vinicius Furtado Coêlho, presidente nacional da OAB
A Constituição de 1988 responde a uma disputa entre passado e futuro. Por um lado, desafia um passado que se quer superar e lembrar, para que nunca mais se repita. Por outro, abre caminhos para o futuro que se quer construir, tendo a igualdade a liberdade e a segurança jurídica como valores fundamentais.
Talvez a maior luta do passado tenha sido pela liberdade, contra os arbítrios do poder e do autoritarismo. Hoje, nossa maior luta é pela igualdade e pela garantia de que, mesmo em momentos turbulentos, teremos a segurança própria do estado democrático de direito para nos aparar.
Do ponto de vista da igualdade, nossa Constituição é capaz de tratar a todos com igual respeito e consideração, diferenciando os desiguais na medida de suas desigualdades.
Um dos objetivos da Carta é a inclusão, por isso a importância de termos igualdade na política, e trabalharmos, por exemplo, para a ampliação da participação de mulheres nos altos cargos da nação e para impedirmos a influência do poder econômico nas eleições.
A Constituição ainda buscou garantir saúde e educação a todos os brasileiros, permitindo, assim, a ascensão social de camadas menos abastadas da população, uma vez que nenhuma democracia sobrevive sem que se diminua o enorme fosso entre os mais ricos e os mais pobres.
No campo da segurança jurídica, a Constituição é o remédio para as crises, sempre passageiras se atravessadas com estabilidade institucional e sem deturpação dos institutos republicanos. O contrário disso desandaria o país para o caos.
A segurança jurídica, expressa em todas as entrelinhas da Carta, trabalha para que exista confiança no país e no cumprimento de contratos.
Os constituintes ainda foram capazes de garantir tal segurança até mesmo no caso de situações extremas, como no impedimento de mandatários. Por um lado, a Carta determina que é preciso haver provas cabais de crimes para a retirada de eleitos. Por outro, criou todos os mecanismos para assegurar a continuidade da governabilidade e manutenção da democracia nestas eventuais situações.
Para a autopreservação das diretrizes de nossa nação, os constituintes ainda criaram cláusulas pétreas, o que impede maiorias eventuais de alterarem o espírito democrático e garantista da Carta.
Há 27 anos o Brasil foi capaz de construir uma Constituição de muitas mentes, vozes e corações, o que explica o fato de ninguém ir às ruas pedir um novo texto, e sim exigir a sua efetividade.
O processo de elaboração da Constituição foi um dos mais profundos momentos de lucidez e reflexão de nossa democracia, com ampla participação institucional e cidadã. Por isso, a cada dia 5 de outubro comemoramos não somente a redação da Carta Cidadã, mas de um projeto de nação que nos ofereceu estabilidade institucional e diretrizes para a união de esforços por um futuro virtuoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário